Liturgia Diária


22º DOMINGO - TEMPO COMUM

Nada acrescenteis, à palavra que vos digo,
mas guardai os mandamentos do Senhor.
Leitura do Livro do Deuteronômio 4, 1-2. 6-8
Moisés falou ao povo, dizendo: 'Agora, Israel, ouve as leis e os decretos que eu vos ensino a cumprir, para que, fazendo-o, vivais e entreis na posse da terra prometida pelo Senhor Deus de vossos pais.
Nada acrescenteis, nada tireis, à palavra que vos digo, mas guardai os mandamentos do Senhor vosso Deus que vos prescrevo.
Vós os guardareis, pois, e os poreis em prática, porque neles está vossa sabedoria e inteligência perante os povos, para que, ouvindo todas estas leis, digam: 'Na verdade, é sábia e inteligente esta grande nação!
Pois, qual é a grande nação cujos deuses lhe são tão próximos como o Senhor nosso Deus, sempre que o invocamos?
E que nação haverá tão grande que tenha leis e decretos tão justos, como esta lei que hoje vos ponho diante dos olhos?
Palavra do Senhor.
Senhor, quem morará em vossa casa e no vosso monte santo, habitará?
É aquele que caminha sem pecado / e pratica a justiça fielmente; que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em calúnias sua língua.
R.
Que em nada prejudica o seu irmão, nem cobre de insultos seu vizinho; que não dá valor algum ao homem ímpio, mas honra os que respeitam o Senhor.
R.
não empresta o seu dinheiro com usura, / nem se deixa subornar contra o inocente. / Jamais vacilará quem vive assim!
R.
Sede praticantes da Palavra.
Leitura da Carta de São Tiago 1, 17-18. 21b-22. 27
Irmãos bem-amados:
Todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto; descem do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem sombra de variação.
De livre vontade ele nos gerou, pela Palavra da verdade, a fim de sermos como que as primícias de suas criaturas.
Recebei com humildade a Palavra que em vós foi implantada, e que é capaz de salvar as vossas almas.
Todavia, sede praticantes da Palavra e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.
Com efeito, a religião pura e sem mancha diante de Deus Pai, é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo.
Palavra do Senhor.
Vós abandonais o mandamento de Deus
para seguir a tradição dos homens.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 7, 1-8. 14-15. 21-23
Naquele tempo:
Os fariseus e alguns mestres da Lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus.
Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado.
Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos.
Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.
Os fariseus e os mestres da Lei perguntaram então a Jesus: 'Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?'
Jesus respondeu: 'Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: 'Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim.
De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos'.
Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens'.
Em seguida, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: 'Escutai todos e compreendei:
o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior.
Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios,
adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo.
Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem'.
Palavra da Salvação.

MARTÍRIO DE SÃO JOÃO BATISTA - SANTORAL

Comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer:
não tenhas medo em sua presença.
Leitura do Livro do Profeta Jeremias 1, 17-19
Naqueles dias a Palavra do Senhor foi-me dirigida:
'Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não tenhas medo, senão, eu te farei tremer na presença deles.
Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra;
eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te', diz o Senhor.
Palavra do Senhor.
Minha boca anunciará vossa justiça.
Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: / que eu não seja envergonhado para sempre!Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! / Escutai a minha voz, vinde salvar-me!
R.
Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! / Porque sois a minha força e meu amparo, / o meu refúgio, proteção e segurança! Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.
R.
Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude!Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / 6bdesde o seio maternal, o meu amparo.
R.
Minha boca anunciará todos os dias / 15bvossa justiça e vossas graças incontáveis. Vós me ensinastes desde a minha juventude, / e até hoje canto as vossas maravilhas.
R.
Quero que me dês agora, num prato,
a cabeça de João Batista.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 6, 17-29
Naquele tempo,
Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.
João dizia a Herodes: 'Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão'.
Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia.
Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.
Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galiléia.
A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: 'Pede-me o que quiseres e eu to darei'.
E lhe jurou dizendo: 'Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino'.
Ela saiu e perguntou à mãe: 'O que vou pedir?' A mãe respondeu: 'A cabeça de João Batista'.
E, voltando depressa para junto do rei, pediu: 'Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista'.
O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados.
Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão,
trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe.
Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.
Palavra da Salvação.